domingo, 4 de janeiro de 2015

Cristiane Sobral rememora trajetória de participação no Latinidades Afrolatinas

Um agradecimento especial à equipe do Latinidades Afrolatinas, que me presenteou com um expressivo cartão de Boas Festas com várias fotos de 2012, 2013 e 2014 quando fui convidada a mostrar minha performance cênica nas diversas edições do evento. Artistas brasileiros têm dificuldades reais na consolidação das carreiras, artistas negros então...Isso é tão profundo que estou discutindo teatro negro em minha dissertação de mestrado, do ponto de vista da estética e política. Mas aqui a hora é de gratidão ao evento, de desejo de continuidade e fortalecimento dessa ação coletiva que tanto orgulha nossa cidade.





segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Poesia - cuidado, tinta fresca

O planeta dos macacos não é pra qualquer um!

Os homens fracassados que mais parecem cacos
Insistem em me comparar aos macacos
Quem de nós poderia estar à altura
Dessa soberana criatura?
Cristiane Sobral


Cristiane Sobral

De saco cheio

Ah, de novo com esse meu cabelo é ruim?
então
sou capaz de decretar o seu fim
racista filho da puta.

Cristiane Sobral

Nó na garganta

Você me queria com outro cabelo
Eu sei
Vi nos seus olhos racistas
Enquanto tentava disfarçar com pistas
Brancas
Você me queria com um eurocêntrico modelo
Eu sei
Enquanto tentava culpar o tempo
O trampo
Enquanto acenava com uma ridícula e encardida pomba da paz
A gente só pode ser o que a gente é
Mas você quase me leva a perder a fé
Na humanidade.
Cristiane Sobral

Liberdade, igualdade e fraternidade

A hipocrisia falava de amor
Dava roupas usadas aos pobres
Andava de carro popular
Para não ostentar
Costumava mentir
Pra não magoar
Gostava de sorrir
Para disfarçar
Sabia versos bíblicos de cor
Usava até um terço no pescoço
Na hora do almoço só folhas
Na madrugada
Devorava nossas carnes bem passadas assistindo o Jô
Sacana, empolgada
Totalmente entregue
À sua verdadeira maldade.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Atuação de Cristiane Sobral no filme "O tiro", de João Inácio

No dia 22 de dezembro Cristiane Sobral participou das filmagens de "O tiro", filme de João Inácio, com locações em Brasília. A atriz, que interpretou a terapeuta Laura nesta trama do premiado cineasta que prepara para 2015 este novo trabalho. Aguardem novidades!

Sempre em defesa do protagonismo e dos papéis humanizados para os artistas negros, Cristiane ficou vibrou com a participação nessa produção, onde inclusive, a protagonista também é vivida por uma atriz negra, Wol Nunes. Contrapondo a história do teatro, do cinema e da TV no Brasil, aos poucos vamos contribuindo para a mudança no o padrão histórico de personagens estereotipados, embora ainda seja necessário caminhar muito para preencher a ausência quantitativa e qualitativa de intérpretes negros nas telas. No caso das mulheres negras essa ausência é ainda maior em todos os setores da sociedade, cabendo ressaltar que no espaço da arte, as mulheres ocuparam de forma recorrente papéis de escravas e empregadas sem complexidade, compostas de maneira superficial e desumanizada.





quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Feliz Natal e justiça no ano vindouro, saúde e alegrias!

Feliz Natal! Feliz Ano Novo!

Um Feliz Natal para aqueles que abriram as portas oferecendo amizade, carinho, trabalho, tempo, críticas e tanto aprimoramento. Familiares, amigos, colegas de trabalho, leitores, escritores, professores, enfim, todos que cruzaram o meu caminho neste ano.

Deus abençoe a todos. Natal é nascimento, encontro, alegria, revisão de vida. Muito além dos acordos comerciais, da religião, é tempo de amor e de perdão. Amor é pra todos. Com gratidão imensa quero abraçar os meus companheiros em 2014. Obrigada! Que suas casas possam ser iluminadas pela luz de Jesus.
Na seara do bem não faz sentido conquistar sem reconhecer, ganhar sem retribuir.



sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Cristiane Sobral em mesa de debates e sessão de autógrafos - UNEB - Alagoinhas - BA - 27 e 28 de novembro

5º Encontro da Consciência Negra - Ação Afirmativa, Resistências e Outras Travessias


A literatura negra, com foco na herança africana e na subjetividade dos mais de cem milhões de afro-brasileiros, está viva e atuante, ocupando o espaço das academias, promovendo mesas de discussão com ampla adesão em todo o país, mostrando que a inclusão da população negra na vida pública do país está avançando neste país continental.
O Departamento de Educação (DEDC) do Campus II da UNEB, em Alagoinhas, promoveu, entre os dias 26 e 28 de novembro, o 5º Encontro da Consciência Negra – Ação Afirmativa, Resistência e outras Travessias. A iniciativa, direcionada para estudantes, professores e demais interessados na temática, procurou fomentar a troca de conhecimentos e promover debates sobre o amplo espectro das relações étnico-raciais.
A Pró-reitoria de Ações Afirmativas (PROAF) e o Programa de Pós-graduação em Crítica Cultural (PÓS-CRÍTICA) foram parceiros da iniciativa, com organização da professora Maria Anória de Jesus Oliveira e equipe docente e discente.
A programação do encontro contou com palestras, minicursos, oficinas, roda de diálogo, roda poética, atividade cultural, além de lançamentos de livros. Dentre tantas atividades, damos destaque para a mesa-redonda "Vozes da resistência em nossas literaturas: Negras? Afros? Literaturas Africanas", que contou com a participação da escritora Cristiane Sobral, palestrando e autografando os seus livros e das professoras Dra. Matilde Ribeiro e Ms. Hildália Fernandes.
A mesa de debates discutiu entre outros temas, a literatura de Carolina Maria de Jesus em alusão ao seu centenário de nascimento comemorado em 2014 a partir do ponto de vista de análise da professora Hildália Fernandes, que entremeou vida e obra da escritora e as especificidades da sua obra, assim como o seu trabalho com o coletivo Carolinas, de Salvador e as particularidades no enfrentamento ao racismo em nosso país na vida cotidiana e no âmbito da construção das políticas públicas.
Vejam algumas imagens do evento, que contou com estudantes, professores, membros do corpo diretivo, pesquisadores e público em geral, inclusive composto por estudantes desta Campus, que são oriundos de vários países africanos:




Promoção para aquisição dos livros de Cristiane Sobral

Queridos leitores, bom dia!

Anunciamos a promoção de livros para o fim de ano, agradecendo pelo êxito e pelo apoio de tantos colaboradores nesse 2014.

Compre um livro "só por hoje vou deixar o meu cabelo em paz, poesia, Ed. Teixeira, 2014 e ganhe outro Espelhos, Miradouros, Dialéticas da Percepção, contos, Ed. Dulcina, 2011.
Os dois seguirão autografados pelo investimento de R$ 30,00.
Conta corrente Banco do Brasil Agência 1606-3 conta 62973-1 titular Jurandir dos Santos Luiz
Mandem o comprovante pra cá com o endereço de envio ou crisobral2@gmail.com

Aproveitem, temos poucos exemplares na promoção.
Um abraço a todos, sucesso, saúde e realizações em todas as áreas.



terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Poemas da estudante Grazyelle Sousa inspirados na obra de Cristiane Sobral

Queridos leitores de perto e de longe. Ser escritora nesse país tão desigual, um dos mais desiguais do mundo, onde impera um capitalismo selvagem a cercear as iniciativas de criação artística e literária não é fácil. Alguns insistem em dizer que a poesia não serve para nada. Alguns, como eu, insistem na poesia, por tudo e para todos. Como elixir de transformação da realidade. Por isso gosto e sempre ressalto as vitórias ao longo do caminho, principalmente as vitórias que não privilegiam apenas os frutos na esfera da matéria, e sim os frutos da colheita humana.
Também no que se refere ao trabalho em sala de aula, que amo, não há tempo para descanso. Muitos estudantes, muitas tarefas para corrigir, muito planejamento para as aulas e muito retorno sim, positivo, dos estudantes que vão brotando em nossos tempos, como sempre brotaram, ansiosos pelo encontro com professores amantes do ofício.
Fui professora de teatro, há alguns anos, dessa estudante preciosa e dedicada que atende pelo nome de Grazyelle Sousa, menina estudiosa, de olhos grandes sempre atentos e motivados no espaço da aprendizagem.
Qual não foi a minha surpresa ao reencontrar essa linda menina em flor anos depois, sobrinha de uma professora excepcional, Gina Vieira Pontes, ganhadora de vários prêmios como destaque nacional por projetos desenvolvidos no âmbito da literatura no Centro de Ensino Fundamental 12 da Ceilândia, dentre eles o projeto Mulheres Inspiradoras. Sou grata, sempre, pela colheita que agora compartilho com vocês.
Grazyelle Sousa enviou alguns poemas que agora compartilho com vocês, textos inspirados na leitura dos meus livros, Só por hoje vou deixar o meu cabelo em paz, poesia, ed. Teixeira, 2014 e Espelhos, Miradouros, Dialéticas da Percepção, contos, Ed. Dulcina, 2011.


Grazyelle Vieira



Usando palavras como instrumento de questionamento da realidade
Autoria: Grazyelle Vieira (uma amadora sonhando por meio das palavras)



O cabelo crespo
Grazyelle Vieira

O cabelo do negro não cresce
Mas sim resplandece
Ele demonstra para que veio
Por mais que tentem o cortar ou
o esconder atrás de alisantes
Ele mostra para que veio

Cresce a cada 3 meses para lembrar
que por mais que tentem o extinguir,
ele ainda está ali
E cresce não discretamente como desejam os seus donos
e outras pessoas por aí,
mas sim se impondo
Porque ele não deixa em nenhum momento de mostrar para quê veio.

Então chega a um determinado ponto que
a sua persistência e resistência passa a ser observada e admirada
Nesse instante, aqueles que antes o resistiam,
Decidem também, como o cabelo crespo,
mostrar para que vieram
E param de esconder a sua identidade,
passando a amá-la

Todavia, ao mesmo tempo
outros optam por permanecer a só observar,
desejando ter essa coragem de resistir
Quem disse que é fácil?
Se esconder atrás da democracia racial
sempre será mais fácil

Ainda há, além desses,
aqueles que também observam,
porém não com apreço,
mas sim com desdém
Pensando: Quem deu a ele, essa ousadia para resistir?

Quanto a mim? Decidi resistir!
Sim, essa é a nossa realidade
Mas ela não foi feita para ser aceita
Sim enfrentada!
Junta-se a mim.


Afirmação da identidade

Eu estico, puxo, alinho
Mas ele não me obedece
Nem que seja por meio de um fio desalinhado
Ele mostra para que veio

Mostra que não veio para ser
Estirado, alisado ou extinto
Mas sim para ser admirado, amado e enaltecido

Ele resisti porque sabe
que quando enfim desistirem de resisti-lo
E decidirem amá-lo
Verão quão prazeroso é ser
quem se é

Sabe o quão bom é
levantar da cama pela manhã,
apenas ser balançado e sair,
para o mundo conquistar


O lugar que não me deram para ficar

Um dia me disseram: teu lugar é ali
Mas o ali não me cabia
Não cabia os meus pensamentos
que iam para um lugar bem mais longe
Não cabia as minhas ideias, as quais eram
em grande número para aquele pequeno espaço

Então resisti
Procurei conquistar um lugar
que disseram que não era para mim
Enfim encontrei,
E né que o lugar é perfeito!
Do meu tamanho ele é


Agora enfim posso dizer que confortável é estar
onde haviam dito que não era o meu lugar.