terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Poemas da estudante Grazyelle Sousa inspirados na obra de Cristiane Sobral

Queridos leitores de perto e de longe. Ser escritora nesse país tão desigual, um dos mais desiguais do mundo, onde impera um capitalismo selvagem a cercear as iniciativas de criação artística e literária não é fácil. Alguns insistem em dizer que a poesia não serve para nada. Alguns, como eu, insistem na poesia, por tudo e para todos. Como elixir de transformação da realidade. Por isso gosto e sempre ressalto as vitórias ao longo do caminho, principalmente as vitórias que não privilegiam apenas os frutos na esfera da matéria, e sim os frutos da colheita humana.
Também no que se refere ao trabalho em sala de aula, que amo, não há tempo para descanso. Muitos estudantes, muitas tarefas para corrigir, muito planejamento para as aulas e muito retorno sim, positivo, dos estudantes que vão brotando em nossos tempos, como sempre brotaram, ansiosos pelo encontro com professores amantes do ofício.
Fui professora de teatro, há alguns anos, dessa estudante preciosa e dedicada que atende pelo nome de Grazyelle Sousa, menina estudiosa, de olhos grandes sempre atentos e motivados no espaço da aprendizagem.
Qual não foi a minha surpresa ao reencontrar essa linda menina em flor anos depois, sobrinha de uma professora excepcional, Gina Vieira Pontes, ganhadora de vários prêmios como destaque nacional por projetos desenvolvidos no âmbito da literatura no Centro de Ensino Fundamental 12 da Ceilândia, dentre eles o projeto Mulheres Inspiradoras. Sou grata, sempre, pela colheita que agora compartilho com vocês.
Grazyelle Sousa enviou alguns poemas que agora compartilho com vocês, textos inspirados na leitura dos meus livros, Só por hoje vou deixar o meu cabelo em paz, poesia, ed. Teixeira, 2014 e Espelhos, Miradouros, Dialéticas da Percepção, contos, Ed. Dulcina, 2011.


Grazyelle Vieira



Usando palavras como instrumento de questionamento da realidade
Autoria: Grazyelle Vieira (uma amadora sonhando por meio das palavras)



O cabelo crespo

O cabelo do negro não cresce
Mas sim resplandece
Ele demonstra para que veio
Por mais que tentem o cortar ou
o esconder atrás de alisantes
Ele mostra para que veio

Cresce a cada 3 meses para lembrar
que por mais que tentem o extinguir,
ele ainda está ali
E cresce não discretamente como desejam os seus donos
e outras pessoas por aí,
mas sim se impondo
Porque ele não deixa em nenhum momento de mostrar para quê veio.

Então chega a um determinado ponto que
a sua persistência e resistência passa a ser observada e admirada
Nesse instante, aqueles que antes o resistiam,
Decidem também, como o cabelo crespo,
mostrar para que vieram
E param de esconder a sua identidade,
passando a amá-la

Todavia, ao mesmo tempo
outros optam por permanecer a só observar,
desejando ter essa coragem de resistir
Quem disse que é fácil?
Se esconder atrás da democracia racial
sempre será mais fácil

Ainda há, além desses,
aqueles que também observam,
porém não com apreço,
mas sim com desdém
Pensando: Quem deu a ele, essa ousadia para resistir?

Quanto a mim? Decidi resistir!
Sim, essa é a nossa realidade
Mas ela não foi feita para ser aceita
Sim enfrentada!
Junta-se a mim.


Afirmação da identidade

Eu estico, puxo, alinho
Mas ele não me obedece
Nem que seja por meio de um fio desalinhado
Ele mostra para que veio

Mostra que não veio para ser
Estirado, alisado ou extinto
Mas sim para ser admirado, amado e enaltecido

Ele resisti porque sabe
que quando enfim desistirem de resisti-lo
E decidirem amá-lo
Verão quão prazeroso é ser
quem se é

Sabe o quão bom é
levantar da cama pela manhã,
apenas ser balançado e sair,
para o mundo conquistar


O lugar que não me deram para ficar

Um dia me disseram: teu lugar é ali
Mas o ali não me cabia
Não cabia os meus pensamentos
que iam para um lugar bem mais longe
Não cabia as minhas ideias, as quais eram
em grande número para aquele pequeno espaço

Então resisti
Procurei conquistar um lugar
que disseram que não era para mim
Enfim encontrei,
E né que o lugar é perfeito!
Do meu tamanho ele é


Agora enfim posso dizer que confortável é estar
onde haviam dito que não era o meu lugar.



sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Texto de Maria Ferreira - Escritora Cristiane Sobral na Flink Sampa - novembro 2014

http://minhassimpressoes.blogspot.com.br/

Maria Ferreira

Nos dias 22 e 23 de novembro de 2014, aconteceu em São Paulo, no Memorial da América Latina, um dos maiores eventos voltados para a população negra: Flink Sampa AfroÉtnica.
O Evento contou com a presença de ilustres convidados. Entre eles, Cristiane Sobral. Autora que lançou em 2011 o livro de poemas "Não Vou Mais Lavar Os Pratos". Livro que fez muito sucesso e já está indo para a terceira edição. Para a Flink, ela levou seu lançamento mais recente: "Só Por Hoje Vou Deixar O Meu Cabelo Em Paz". Livro que foi lançado agora em 2014. Já aproveitei para adquirir o meu antes que acabe.

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Rainha de Sabá

Rainha de Sabá

Não sejamos impunes mulheres
Nossa existência dura pouco
Nosso corpo não é um copo
Bebamos a vida com precisão cirúrgica

Não sejamos infames mulheres
Bebamos a vida com línguas de fogo
Saibamos ganhar o jogo
Do ser

Não sejamos insossas mulheres
Gozemos a vida com sabedoria
Nosso corpo não é um copo
Somos a taça premiada
Saibamos brindar.




Estou escura, mas sou bela, ó mulheres de Jerusalém; escura como as as tendas de Quedar, bela como as cortinas de Salomão. Não fiquem me olhando assim porque sou negra; foi o sol quem me queimou a pele. Os filhos de minha mãe ficaram raivosos comigo. Puseram-me a guardar os vinhedos da minha própria vinha, porém não pude cuidar. (2001. Bíblia Sagrada. Cânticos 1: 5-6. pg 891-892).

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Cristiane Sobral em Salvador Ogum's Toques Negros da escritora - CEAO 26 11 - 18:30 - 22:00h

No dia 26 de novembro Cristiane Sobral estará em Salvador autografando seus livros no projeto do Coletivo Literário Ogum’s Toques Negros.

Leiam matéria sobre o coletivo Ogum's Toques e a literatura negra

http://g1.globo.com/bahia/noticia/2014/11/literatura-associada-ao-adjetivo-negro-incomoda-diz-editor-de-coletivo.html

http://g1.globo.com/videos/bahia/bahia-agora/t/edicoes/v/escritores-e-pesquisadora-do-coletivo-ogums-toques-declamam-textos-de-coletanea-poetica/3780090/

http://g1.globo.com/bahia/flica/2014/noticia/2014/10/literatura-negra-nao-caiu-na-graca-do-mercado-diz-autor-de-cidade-de-deus.html

Para maiores informações:

Mel Adún |88024314 (tim) | 88836824 (oi)

Email: mel.adun@gmail.com | ogumstoques@gmail.com

Tags: CEAO, Guellwaar Adún, Mel Adún, Ogun's Toques Negros, Semana Literária Internacional

Ogum’s Toques da Escritora Cristiane Sobral – Prosadora, escritora e poeta, nascida no Rio de Janeiro, é uma das 100 autoras e autores negros cuja obra foi analisada na coletânea “Literatura e Afrodescendência: antologia crítica” (Org. Eduardo Assis, Ed. UFMG, 2011.


Cristiane Sobral palestra em Evento na EAPE - Brasília no Seminário "Literatura Afro-Brasileira na Infância

No dia 20 de novembro, comemorando o Dia Nacional da Consciência Negra Cristiane Sobral marcou presença na EAPE - Brasília no Seminário "Literatura Afro-Brasileira na Infância", evento da SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL, SUBSECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA e COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO EM DIVERSIDADE com a presença do Secretário da Igualdade Racial, Viridiano Custódio, da Sub-Secretária de Igualdade Racial Gicia Martinichen, da Subsecretária de Educação Edileuza Fernandes da Silva e diversos palestrantes.
Como público alvo estão coordenadores locais e intermediários da Educação Infantil e dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, além de orientadores educacionais, mais de 400 profissionais de educação estiveram presentes.



Cristiane Sobral palestrou e interpretou poemas palestrando com ênfase na importância da Literatura Negra no ensino infantil destacando suas especificades, o universo de autores em breve panorama histórico, algumas produções, autores, livros e sites como indicação. Sua fala foi seguida de sessão de autógrafos, de perguntas e da apresentação de um relato de experiências do escritor e professor Marcos Reis, autor de Lápis Cor da Pele e outras obras que abordam o universo da negritude e seus paradoxos na literatura infantil. Marcos Reis, nascido em Brasília, graduado em pedagogia e pós-graduado em psicopedagogia, professor desde 1996, gosta muito de histórias de resistência que envolvem o negro. Escreve para crianças, jovens e adultos e pessoas de todas as idades, cores, crenças e culturas que acreditam no respeito as diferenças como forma de valorizar sua própria história.




A literatura negra segue viva e pulsante e firme no seu compromisso de representação da subjetividade de negros e negras nesse país com a maior população de afro-descendentes fora do continente africano. Está comprometida pela autorial pela linguagem, pelo ponto de vista, pelo encontro com o público leitor afro que quer ler e refletir sobre a diáspora negra e o paradoxos da construção e reconstrução da identidade negra no Brasil.




sábado, 15 de novembro de 2014

Cristiane Sobral na Flink Sampa - São Paulo - Feira de Literatura - 22 e 23 de novembro

Ao chegar à segunda edição, a Flink Sampa dá visibilidade à literatura afro, mostra um conteúdo novo que valoriza os escritos e vivências da trajetória da população negra e das obras de ficção”, afirma o reitor José Vicente, da Universidade Zumbi dos Palmares. A entidade promove esse evento, o Troféu Raça Negra e o Seminário Internacional junto com a ONG Afrobrás, com apoio do MEC, CNPq, SAE, Sesi, Sesc, Sempir, ETEC, Secretaria Municipal de Cultura, Secretaria Estadual de Cultura, Secretaria Municipal de Educação, Secretaria Estadual de Educação, Memorial da América Latina, Unesco, Unesp, Unicamp, Revista Afirmativa Plural e Negros em Foco.
Os escritores africanos Isabel Ferreira e Lopito Feijóo (Angola), Paulina Chiziane (Moçambique) e os brasileiros Joel Rufino, Paulo Lins, Maria Gal, Cristiane Sobral Correa Jesus, Elzira Divina Perpétua e Renato Nogueira dos Santos já confirmaram presença neste evento que, em sua segunda edição, rende uma homenagem ao centenário de nascimento da escritora negra Carolina Maria de Jesus (1914-1977).

http://www.flinksampa.com.br/


São Paulo, 22 e 23 de novembro.
A Flink Sampa vai dar visibilidade a três livros lançados em 2014. A audácia verbal da poeta e escritora de Brasília Cristiane Sobral marca o seu livro mais recente de poemas “Só por hoje deixa meu cabelo em Paz” (ed. Teixeira). Estudioso dos problemas brasileiros, Renato Meirelles vai autografar “Um País chamado Favela” (ed. Gente), escrito em parceria com Celso Athayde da CUFA – Central Única de Favelas, que faz uma radiografia da importância social e econômica das favelas no País. . No livro “A Formação da Cozinha Brasileira” (ed. Três Estrelas), o sociólogo Carlos Alberto Dória detalha as bases históricas dos ingredientes principais do Brasil desde os tempos coloniais.

A viúva do ex-presidente da África do Sul Nelson Mandela, Graça Machel, confirmou presença na cerimônia de entrega do 12º Troféu Raça Negra, na Sala São Paulo. Evento vai encerrar a Flink Sampa 2014, festa da literatura afro e cultura negra, que deve reunir mais de dez mil pessoas em novembro no Memorial da América Latina e contará com a participação de artistas como os escritores Isabel Ferreira e Lopito Feijóo (Angola), Paulina Chiziane (Moçambique), o cantor Jair de Oliveira , a dupla Os Pretos e o rapper Max BO (TV Cultura).
Debates literários com autores nacionais e estrangeiros, lançamento de livros, sessões de autógrafos, shows, espetáculos de teatro e dança, oficinas de moda e beleza, exibição de filmes e atividades para crianças estão entre as atrações da Afroétnica Flink Sampa – a Festa do Conhecimento, Literatura e Cultura Negra de São Paulo (http://www.flinksampa.com.br/), que deve reunir dez mil pessoas nos dias 22 e 23 de novembro no Memorial da América Latina. Paralelamente, haverá o Seminário Internacional, no campus da Universidade Zumbi dos Palmares, que contará com a participação de representantes de universidades historicamente negras norte-americanas, as HBCUs. A ativista dos Direitos Humanos Graça Machel, viúva do ex-presidente da África do Sul Nelson Mandela, já confirmou presença na cerimônia de entrega do 12º Troféu Raça Negra, na Sala São Paulo, que vai encerrar o evento no dia 24. Este ano o troféu homenageia Mandela.
Cristiane Sobral estará em Mesa com Conceição Evaristo no domingo, dia 23/11 às 9h20 -

AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA
9h às 18h – Exposição de fotografias – “CAROLINAS”
9h às 10h20 – Mesa: Letras Carolinianas: Gênero, Violência e
Atitude Feminista – Conceição Evaristo, Raffaella Fernandez e
Cristiane Sobral.
Stand Livraria Zumbi dos Palmares
10h45 às 11h15 – A escritora Cristiane Sobral autografa o livro Só
Hoje Vou Deixar o Meu Cabelo em Paz (Ed.: Teixeira).


Cristiane Sobral em Viçosa - MG 18/11 - MARAN - literatura afro-brasileira e sessão de autógrafos

Cristiane Sobral em Viçosa - MG - I MARAN
Neste mês intenso de atividades alusivas ao mês da consciência negra Cristiane Sobral estará no dia 18 de novembro em Viçosa - MG, no evento: Não somos mais o retrato, agora tiramos nós a nossa própria foto: literatura negra brasileira.
Sessão de autógrafos do livro "Só por hoje vou deixar o meu cabelo em paz" e participação em mesa de debates e sarau performático com a escritora Miriam Alves.
Realização - Augusto Renan Rocha, NEAB Viçosa e Casa Cultural do Morro.